História

A colonização do Município de Cafeara teve início no ano de 1937, através do Dr. Manoel Firmino de Almeida, engenheiro civil, natural da Bahia, que requereu e obteve do Governo do Estado a concessão de 50.000 hectares pertencentes ao patrimônio do Estado. Os trabalhadores de demarcação e levantamento topográfico foram efetuados pelo próprio engenheiro, que deu, ao patrimônio, a denominação de Colônia Zacarias de Góes, uma homenagem ao primeiro Presidente da Província do Paraná,  o ilustre baiano Zacarias de Góes e Vasconcelos. 31.460 hectares deste patrimônio foram demarcados com finalidade de, ali ser formado um povoado, o qual recebeu a denominação de Vila de Guairacá.

No início da década de 40, chegaram os primeiros colonizadores: mineiros, nordestinos, paulistas (descendentes de italianos). O surgimento do povoado contou, nos desbravamento de suas matas, com a fibra e o trabalho incansável de heróicos pioneiros, desbravadores, que enfrentavam os obstáculos naturais de patrimônio em formação.

No dia 02 de Janeiro de 1947, os colonizadores fundaram solenemente o “Cruzeiro”, em frente à capela de Santa Luzia, num sinal de fé e devoção. A 5 de Outubro de 1949, a Vila de Guairacá perde sua denominação, passando a chamar-se Vila de Cafeara, integrando o território Municipal de Lupionópolis.

Com a derrubada das matas, surgiram as serrarias, que como qualquer atividade extrativista, encerraram suas atividades após o desmatamento do Município.

Como o trabalho laborioso e arrojado foram surgindo os cafezais que trouxeram a prosperidade e o progresso. O crescimento e a consolidação do povoado, o seu desenvolvimento na região, lhe concede através da Lei Estadual nº 253 de 26 de Novembro de 1954, a condição de Município autônomo. A solenidade de instalação Oficial do Município de Cafeara deu-se no dia 19 de novembro de 1955, instalando-se, ao mesmo tempo a sua primeira legislatura, com a posse do Prefeito Municipal e membros da Câmara de Vereadores. Assim, nasceu a cidade de Cafeara, cujo nome representa uma homenagem ao Café, do qual o Município era grande produtor.


Top